24/12/2010

POR QUE NÃO GOSTAR DO NATAL?

Tá uma moda de todo mundo falar que não gosta do natal. De que é tempo de hipocrisia, data brega, etc....
Ainda tem as famigeradas "caixinhas", as mesmas notícias dos telejornais, as propagandas chatas, a Simone cantando aquela versão infame do Lennon, lixeiros pedidndo "agrado" na sua porta, lotação de supermercado e de Shoppings, especiais de fim de ano ( um pior que o outro - aliás, acho que as emissoras se aproveitam do estado de anestesia dos cérebros nessa época pra passar tudo que é porcaria, inclusive as hollywoodianas).
Mas com tudo isso acho que o desafeto ao natal vem do fato de querermos negar que perdemos aquela inocência da infância. Inocência, que mesmo sem ter grandes alegrias, sonhava com algo diferente que pudesse acontecer. Havia algo de bom naquela idade: os parentes, a junção das pessoas, a comida diferente, os primos nas correrias, a disputa para ver quem ganhou o melhor brinquedo (lembro que ganhei bola de futebol por cinco anos seguidos - bem intencionados os meus pais). 
O gosto do chocolate era diferente. Acho que ainda não tinha tantos conservantes e nem era tão ralo como os atuais ( quem conhece aqueles biscoitos cobrtos de merengue a açucar colorido?).
Era como se nos dissessem: "Olha, tudo vai melhorar! tudo pode ser diferente, é possível ser feliz". E acreditávamos. Quando crescemos vemos que as coisas não mudam, que as chances de ficarem diferentes são mínimas, e que nossa vida continuará a ser a mesmice de sempre, salvo pequenas excessões que o destino nos coloca para não aderirmos ao suicídio coletivo.
E com essa constatação vem nossa fase de revolta: o Natal é chato.
É como se quiséssemos que tudo que nos falaram tivesse se tornado verdade. Nos tornamos adultos, obrigatoriamente e temos que olhar a vida como ela é.
Qaundo recebo cumprimentos de pessoas que não possuem muita ligação comigo, acredito piamente que ela está desendo de coração: é como se ela percebesse que tem uma chance de poder melhorar um pouco. Aquela pessoa que me cumprimenta, ainda está acreditando no que falaram pra ela quando criança. Respeito.
Da minha parte,  quando mando meus cumprimentos a alguém é como se dissesse: "Gosto de você, lembro de você e quero que sejas feliz". Por isso penso o mesmo daqueles que mandam suas mensagens ( menos daqueles que mandam mensgens coletivas via orkuts, facebooks, ou no email).

Além de tudo isso, vamos parar de falar mal do Natal. Vai que algum político idiota (eufemismo) leva isso a sério e acaba com esse feriado "bom pra cacete".

A todos os que leram esse post até o fim, aproveitem bem essa festa. Muita diversão, alegria, saúde, sacanagem da boa, bebedeira, risadas ou simplesmente ficar de preguiça e não fazer nada. É o mínimo que merecemos depois de um ano inteiro trabalhando pra manter o sistema funcionando.

19/12/2010

Sorry, Walter.

Walter Benjamin filósofo da Escola de Frankfurt, questionava a reprodutibilidade da arte, pois esta tirava-lhe a aura da criação. Até certo ponto posso concordar com ele. Mas o que seria dos pobres mortais condenados a morar momentaneamente no Word's Asshole  assim como eu . Graças a reprodutibilidade é que se tem acesso a arte. Poder ouvir e ver momentos emocionantes, feitos com qualidade podem tornar a vida mais bonita. Viva a Arte e sua reprodução. Sorry, Walter.




13/12/2010

PERDA DE TEMPO

Três coisas inúteis, que frustram as pessoas, pelo excesso de expectativa. É o tipo de coisa que não vale a pena buscar:

A felicidade,
a Perfeição
e o Sentido da Vida.

Esqueça. São conceitos que dependem semprem do ponto de vista de cada um. Sendo assim, o que para um é o paraíso, para outro pode ser o inferno.

Acho que o mundo seria melhor se nos desapegássemos dessa busca.

06/12/2010

05/12/2010

Mais um momento especial do Grupo OS ANSIOSOS.

Registro de uma performance ingualável. Isso vai fazer História.

O Início de uma carreira com grande futuro.....

Hoje acordei e...(parte 2)

As vezes tenho uma vontade de assumir a postura de vegetariano.
Mas olhei praquele lombinho, imginei ele recheado com ameixas, abacaxi e açucar mascavo.
Resultado: o porquinho se fudeu.

Hoje acordei e....

Hoje é daqueles dias em que acordei cheios de idéias na cabeça, mas com uma puta preguiça de escrever. Como meu cérebro está programado pra fazer o menor esforço possível ele decidiu logo: escrever pra quê? Não quero ser escritor, não quero que alguém leia. Não quero que saibam das minhas idéias...enfim...

Mas no fim das contas:
continuo pensando em montar uma produtora de filmes pornô;
ou montar um puteiro dentro de uma dessas carcaças de avião abandonadas em Aeroporto. O lema vai ser: "Tenha seu orgasmo nas nuvens!", ou de um modo mais popular, " Goze nas alturas!"
Preciso criar um nome pro puteiro.

Ach que as duas idéias se complemntam . Poderia instalar um monte de câmeras escondidas nos ambientes de trepação e depois vender as imagens. Depois quando os frequentadores descobrissem e resolvessem me processar já teria dinheiro suficiente pra fechar o negócio e pensar me outra coisa.

No puteiro todas as meninas e rapazes estariam trajados a rigos: de comissário e comessárias e serviriam bebidinhas e barrinhas de cereal nos carrinhos. Sim, teríamos os dois serviços, para homens e mulheres. Desse modo qualquer casal que precisasse de uma aventurazinha poderia frequentar e sair de lá mais animado e satisfeito.

E ainda teria a possibilidade de realizar a fantazia de "fazer" no banheiro do avião. Poderia limitar um pouco os movimentos, mas fantazia é fantazia.

Podertia ainda ter o simulador de turbulência, daquelas bem violentas, em que parece que o avião vai pro beleléu e os fregueses se sentirem realizando o último desejo: dar uma boa trepada. Seria genial e isso custaria mais caro obviamente.

Registros de uma "viagem" numa manhã de domingo.